top of page

O primeiro brasileiro instrutor de método avançado de resgate de vítimas soterradas é PM do DF

fonte: PMDF


O subtenente Ademar Barros fez história no Equador neste mês. Ele conquistou o cobiçado certificado de instrutor do Método Arcón, sistema de detecção de pessoas vivas soterradas, restos humanos e explosivos com o uso de cães.


O subtenente da Polícia Militar é o primeiro do Brasil a conseguir a certificação da metodologia mais eficaz da história no resgate de pessoas soterradas. Ele está apto a preparar novos cães, guias e instrutores homologados no Método Arcón.


O curso dura 30 dias. Mas ele obteve o título na metade do tempo. “É muita disciplina”, resume. “Estudo o Método Arcón desde 2010”. A proeza dele é ainda maior. O Equador, por exemplo, que promove o curso há 20 anos, só tem quatro instrutores certificados.



De acordo com o comandante do 4º Pelotão do BPCães, o segundo-tenente Luiz Roberto Albuquerque, o feito do subtenente corrobora a excelência da PMDF na prestação de serviços à comunidade. “É um grande progresso para a instituição, que busca salvaguardar vidas em casos de desastres naturais ou decorrentes de ações humanas”, ratifica.


A partir de agora, a PMDF pode preparar cães com mais eficiência para atuar em tragédias como a de Brumadinho, em Minas Gerais, e as provocadas por tempestades com desabamento de terra e soterramento de pessoas.



Ademar adestra cães desde 1998. Em 25 anos de serviço no Batalhão de Policiamento com Cães (BPCães), já formou mais de 100 adestradores das polícias militares do Brasil, bombeiros, Forças Armadas e Polícia Rodoviária Federal. “Nunca parei de estudar, nem de treinar cão”, relata.


O Método Arcón foi desenvolvido pelo bombeiro espanhol Jaime Parejo, em 1994, depois de 12 anos de muito estudo. Ele batizou a metodologia com o nome do cão que foi seu companheiro de resgates e aluno pioneiro. O Arcón é utilizado por bombeiros, policiais, defesas civis e exércitos de vários países.


Segundo Jaime Parejo, o diferencial do método é que o cão trabalha sozinho e explora ao máximo sua capacidade olfativa e psíquica. “A gente consegue maximizar a capacidade olfativa do cão e extrair muito mais habilidades dele”, explica. “O mínimo odor exalado pela vítima é suficiente para o cão localizá-la”.



O Método Arcón otimiza os níveis de motivação, concentração e autonomia dos cães em operações de buscas. “O olfato pouco ou nada serve se o cachorro não está concentrado o máximo possível antes de atuar”, explica Parejo.


O animal é capaz de localizar vítimas debaixo de seis metros de escombros. Os cães habilitados, por exemplo, foram os únicos a localizar pessoas vivas nos escombros do terremoto que devastou a Turquia e a Síria no começo de fevereiro. As outras vítimas foram localizadas com a ajuda de aparelhos e de socorristas profissionais ou voluntários.

281 visualizações0 comentário

Комментарии

Оценка: 0 из 5 звезд.
Еще нет оценок

Добавить рейтинг
bottom of page